Lideranças Femininas no Franchising

Por: Email Author

Cristina Franco, de executiva de uma multinacional inglesa para uma das mais importantes líderes do franchising brasileiro. Conheça essa mulher e empresária que preside a Associação Brasileira do Franchsing – ABF

Equilíbrio, alegria e resiliência

Em todas suas edições, a Revista Franquia & Global Opportunities, destaca uma das nossas lideranças femininas no franchising. Compartilhamos aqui o destaque da edição comemorativa de 1 ano da seção Da Cor da Rosa e ficamos muito felizes em conhecer melhor Cristina Franco que assumiu a presidência da ABF desde 2013, onde atuava como presidente da Comissão de Ética por seis anos. Uma pioneira no franchising brasileiro.

A empresária que é sócia-fundadora da BIT Company é formada em Serviço Social pela PUC – SP, fez extensão universitária em Gestão de RH pela FGV e possui MBA em Varejo e Franchising pela FIA. Antes de empreender, atuou como executiva em indústrias nacionais e multinacionais das áreas metalúrgica e química. Em 2010, com a aquisição da BIT Company pela Multi Holding (atual Grupo Pearson), assumiu a Diretoria de Relações Governamentais  da empresa. 

No final dos anos 80, com um olhar empreendedor, quando se iniciava a microinformática no Brasil, ela e outros dois sócios detectaram a oportunidade de negócio e fundaram a Bit Company. Na época, o foco era a capacitação técnica. E o desafio era investir e empreender em um ambiente de hiperinflação e mercado totalmente fechado – “o investimento em um microcomputador para sala de aula girava em torno de 14 mil dólares (um XP)”, lembra a empresária.

O desemprego era muito grande, não existiam postos de trabalho suficientes e o foco era justamente o de capacitar profissionais mais técnicos para que se diferenciassem de forma inovadora.

Pioneira

Uma mulher à frente de seu tempo, desde sua atuação como executiva, Cristina recorda que eram poucas as mulheres (ou nenhuma) no mesmo nível que ela. “Hoje com 52 anos completos, iniciei minha trajetória em outra época corporativa. Na década de 80, não existiam mulheres liderando setores como marketing, financeiro, administrativo, somente se encontravam lideranças femininas na área do RH, quando muito. E foi justamente nessa área que eu ingressei. Quando se falava em promoção ou movimentação de carreira, não existia a possibilidade de se considerar uma mulher como opção de profissional apto para o cargo. A maioria das mulheres não tinha, também o anseio profissional tão forte como tem hoje. Fui uma das primeiras mulheres a me tornar empresária franqueadora. Quando fundamos a Bit Company, nossos concorrentes eram 100% liderados por homens”, lembra.

Cristina afirma que hoje é fato, esse panorama realmente mudou, e não foi só na teoria ou no discurso. “Em um encontro recente de lideranças femininas do WTC que reunia líderes do Brasil, Europa e EUA pude constatar in loco que mundialmente a posição de liderança das mulheres está presente e consolidada. Nesses pouco mais de 30 anos o panorama realmente mudou. Evoluímos, ainda existem diferenças salariais no mundo corporativo, mas no meu entender já caminhamos mais de 70% nessa trajetória em busca da competência independer de gênero.

Empreender e o DNA feminino

“A mulher é gregária, tem uma liderança participativa nata. Desde a época das cavernas coube a nós cuidar da cria e do nosso espaço. Nessa posição, as mulheres estabelecem metas, recursos, motivam suas equipes de uma forma natural. Também no franchising, hoje o empoderamento de mulheres nas redes fica cada vez mais claro e visível. Começando pelas unidades franqueadas, em algumas redes o número de mulheres franqueadas é até maior do que o de homens. Na maioria delas, em média, chega a 50% ou quase a liderança feminina. Até como franqueadoras, é crescente o número de mulheres estruturando seus próprios negócios como franquias. Esses números hoje são estimativas, mas serão auditados em próximas pesquisas realizadas pela entidade”, afirma Cristina, revelando esse como um dos pilares de sua gestão.

Para a empresária, a equidade nas carreiras já é uma realidade e para as gerações mais jovens é totalmente natural e já é entendido como um direito adquirido. ‘Isso reflete na forma de investir em suas carreiras, se relacionar com seus pares, formar e planejar suas famílias, dividir receitas e despesas. Assim, naturalmente o mercado de trabalho e as lideranças empreendedoras são consequência. Hoje a mulher já consegue, inclusive, criar maneiras de lidar com seu lado profissional, maternidade e vida pessoal. Atitudes mais bem resolvidas. Ainda não de forma totalmente ‘leve’ como seria o ideal, como acontece em outros países mais desenvolvidos, mas muito mais estruturada do que era há alguns anos atrás”.

Ações concretas

O Comitê das Mulheres no Franchising foi criado na gestão atual com objetivo de atuar com mulheres de todos os setores do mercado, consultoras, advogadas, franqueadoras, franqueadas e fornecedoras. Criando discussões sobre o empoderamento feminino no setor, treinamento, capacitação, como a maternidade deve ser tratada na carreira da mulher, as habilidades e competências da mulher que devem ser aproveitadas e podem fazer do franchising uma relação melhor. Enfim, garantir que ela tenha um papel fundamental e inovador no setor.

As ferramentas para implementar essas ações seguem por três vertentes, os estudos e pesquisas, os encontros e palestras e os cursos de capacitação.

A mulher

“Tenho alegria de viver”, usando o velho chavão do ‘copo com água pela metade’, para Cristina, o foco sempre será a metade cheia. “A vida é cheia de escolhas, para homens ou mulheres. Isso não é uma questão de gênero e sim de objetivo e foco. Uma das escolhas da executiva, ainda jovem, quando optou por empreender com seus sócios, foi a de ter um único filho, e focar sua energia em fazer crescer sua rede por todo o Brasil. Teve sucesso. Manteve a humildade, sempre procurando aprender. “Estudar sempre e ler muito”. Hoje, no segundo casamento, a mulher, executiva, mãe, companheira, celebra, viaja, cuida de seu bem estar e tem muito foco em suas metas.