Notícias das franquias


29/04/2015

Por diversos fatores, 2015 é o ano do home based

Ascensão da classe C, aumento de ofertas de negócios e o baixo custo são alguns dos aspectos que impulsionam a expansão de redes de franquias que disponibilizam o modelo de negócios para trabalhar em casa

Os especialistas já alertavam e os franqueadores já assumem: o modelo home based deve ganhar ainda mais força em 2015. Sem a exigência de estruturar um ponto comercial (como uma loja, por exemplo), o modelo de negócios é comum entre as microfranquias e aplicado com sucesso em outros países. Segundo os números divulgados pela ABF (Associação Brasileira de Franchising), a tendência está confirmada: o segmento cresceu mais 15% em 2014, com expectativas de elevação para este ano. Para Paulo Cesar Mauro, diretor-presidente da Global Franchise, uma das principais consultorias em franchising do país, responsável pelo desenvolvimento de mais de 300 projetos de franquias no Brasil e exterior, o avanço da classe C e o baixo custo operacional estão entre os fatores que impulsionam o sistema home based. “O aumento do poder de compra dessa nova classe social também desperta o interesse de ter seu próprio negócio. Então, este modelo de franquia mostra-se como uma boa oportunidade, já que depende basicamente do comprometimento com o sucesso e a compreensão da missão da empresa”, comenta.

No Brasil, o setor de serviços é um dos expoentes do modelo e todos os anos surgem novas redes com esta proposta. Para ter destaque diante de concorrentes de peso, Allan Comploier, diretor e idealizador da Master House Manutenções e Reformas, criou sistemas que facilitam a gestão e geram resultados para os novos franqueados. “Nossos processos são auditados internamente e um de nossos principais diferenciais está no nosso treinamento de uma semana em que todos os colaboradores, operacionais e de gestão, conhecem o funcionamento da rede e o que vamos exigir que seja realizado a partir do momento em que eles passam a representar a empresa. Para que haja essa disseminação do conteúdo em outros momentos, também criamos manuais e vídeos educativos”, explica. O modelo home based da rede tem investimento de R$ 15 mil (incluindo taxa de franquia e capital de giro). “Criamos caminhos para que haja total segurança tanto para os nossos franqueados quanto para os nossos clientes. A marca valoriza o investimento daqueles que acreditam em nosso negócio”, completa.

Nesta mesma linha, mas na área de serviços de tecnologia da informação (TI) com foco em  demandas domésticas e corporativas, a Sr. Computador é a representação deste sucesso do home based. Mesmo com três possibilidades de modalidades de investimento, todos incluindo taxa de franquia e capital de giro (conversão de bandeira R$ 10 mil, loja física R$ 30 mil e home based R$ 18 mil), o diretor de expansão, Rogério Mendes Pereira, afirma que a terceira opção é uma das que mais atraem. “Quando o candidato calcula o valor que ele vai desembolsar e o quanto ele pode ter de retorno se agir segundo nossas orientações, vemos que o modelo veio para ficar. Para garantir que essa confiança valha a pena, oferecemos estrutura ao nosso franqueado, como parcerias com empresas e grandes redes de diversos segmentos, em que ele pode atuar com o que chamamos de ‘chamados corporativos’ e outras possibilidades de atendimentos”, explica. No total, a marca conta com 35 unidades, sendo 18 home based. “Temos a expectativa de dobrar nossa atuação e marcar presença principalmente naqueles mercados em que a mão de obra ainda é escassa”, finaliza. 

O microempreendedor precisa ter claro os prós e contras da operação homebased. Custo fixo menor, maior flexibilidade com horários, margem de lucro maior na comparação de uma unidade que paga aluguel, funcionários e infraestrutura, economia de tempo de deslocamento são alguns dos ponto mais do que positivos. Além de que um computador, conexão online banda larga, impressora e um telefone comercial são suficientes para iniciar o negócio depois do treinamento inicial junto a franqueadora.

Já a disciplina para se definir horários e rotina comercial sem que se prejudique o dia a dia da casa e da empresa e o fato de que o franqueado é o responsável por todoas as tarefas da empresa, gestão estratégica dos negócios, prospecção de clientes e muitas vezes, a execução dos serviços exigem do microempreendedor organização e capacitação rígidas, o que deve se iniciar com a rede franqueadora e se manter com cursos e renovação continuada de conhecimentos empresariais. Muitas vezes esse novo empresário só teve vivências corporativas e a transformação de funcionário em dono deve ser muito bem clara e focada.

Confira nas edições da REVISTA FRANQUIA & GLOBAL OPPORTUNITIES opções home based de franquias. Complete sempre sua pesquisa entrando nosite das marcas, falando com os franqueadores. Conhecendo mais cada marca, falando com alguns dos franqueados e experimentando os serviços ou produtos. Somente depois de esgotar suas dúvidas, invista em seu novo negócio. 



Outros artigos de notícias do mesmo mês