Notícias das franquias


30/06/2015

Primeira e única franquia que comercializa asfalto

O mercado de franquias comemora um novo segmento de atuação, o de infraestrutura. A Único Asfaltos lança modelo de negócio que facilita e possibilita a distribuição, comercialização e fabricação do pavimento

 

fazemos_banner

Existem franquias espalhadas por todo e qualquer segmento de negócios, seja ele serviços, comércio, produtos. Essa máxima ficou ainda mais abrangente, hoje. O segmento de infraestrutura, agora, comemora a primeira e única franquia que possibilita a investidores operarem pavimentação de pisos. Uma área até hoje somente dominada por grandes empresas que disputavam contratos públicos e privados de grande porte. A operação é a +Fácil, franquia que permite fabricação e distribuição de asfalto.

Basta sair às ruas de qualquer uma das quase seis mil cidades brasileiras para entender o tamanho do mercado que vem sendo explorado pela empresa paulista Único Asfaltos. Segundo a Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfalto (Abeda), somente em 2014 o país consumiu 3,3 milhões de toneladas do produto. Com o aumento da frota de veículos, o crescimento dos centros urbanos, além da pressão da sociedade por mais e melhores estradas, o cenário é extremamente positivo para quem quer entrar nesse mercado.

Criada há onze anos pelo catarinense Jorge Coelho, a Único identificou oportunidades no segmento e inovou em outubro de 2014 ao ensinar empreendedores de todo o país, através do sistema de franquias, a produzir asfalto com tecnologia compatível à de regiões como a Europa, Oceania e América do Norte.

Microfranquia inovadora

Agora, a empresa volta a inovar e lança no mercado um novo modelo de negócio: uma microfranquia concebida para tornar a operação acessível a um número maior de empreendedores, uma vez que o investimento inicial corresponde a apenas 20% do valor gasto para a abertura de uma franquia tradicional da marca. O modelo de negócio foca aqueles interessados apenas na comercialização do pavimento. Ao mesmo tempo, a meta é aumentar o faturamento dos franqueados já estabelecidos no modelo em operação desde 2014.

“No nosso modelo tradicional de franquia, lançado no ano passado, ajudamos o empreendedor a se tornar um produtor e, ao mesmo tempo, distribuidor deste tipo de pavimento. Esta é uma tecnologia que dominamos e que é a mais viável para obras em regiões interioranas, emergenciais, de pequeno e médio portes”, detalha Jorge Coelho. “A partir de maio de 2015, abrimos espaço também para empreendedores que queiram, apenas, atuar na distribuição dos nossos produtos. É um novo tipo de player, mas com uma enorme sinergia com os franqueados que já a­tuam na rede – e, que continua em franca expansão. Com a nova microfranquia, criamos um sistema que funciona quase como um consumo colaborativo. Neste caso, o objeto do consumo são as usinas produtoras de asfalto frio”, explicou o empresário.

O sistema funciona mais ou menos assim: o microfranqueado recebe treinamento e suporte para se tornar um agente de campo da +Fácil Asfaltos. Depois de aulas teóricas e experiências práticas, ele estará apto a representar a marca junto a prefeituras, construtoras, empreiteiros, varejistas de materiais de construção e demais consumidores potenciais do produto. Feita a venda, o microfranqueado adquire o asfalto frio de qualquer uma das usinas da rede franqueada presentes ao redor do país. Atualmente, a empresa mantém estruturas próprias, franqueadas ou licenciadas em 23 cidades.

 Expansão rápida

O franqueador estima que vinte unidades do modelo de operação microfranquia de distribuição de asfalto sejam comercializadas ainda este ano. Cada unidade requer um investimento de R$ 25.850 – R$ 18 mil em taxa de franquia e despesas de implantação. A margem líquida da operação é de 30%. A projeção da +Fácil é que haja retorno do capital investido em cerca de seis meses.

“Diferentemente de outras franquias, que, em geral, atuam apenas na esfera da venda de produtos ou prestação de serviços, a franquia +Fácil abrange toda a cadeia. Ou seja, nossos franqueados tradicionais se tornam, ao mesmo tempo, industriais e comerciantes. E, muitas vezes, é difícil encontrar, numa única pessoa, o perfil ou a capacidade de investimento para atuar nestas duas frentes. Por isso optamos por dividir o negócio, com o objetivo de acelerar o nosso crescimento”, justificou o empresário. “Os microfranqueados tendem a aumentar ainda mais o ganho de escala de nossos franqueados que se dedicam, também, à produção do asfalto frio. Deste modo não há canibalização e, sim, cooperação”, finaliza.

 



Outros artigos de notícias do mesmo mês